A Verdadeira Pregação do Evangelho

Finalmente voltando a escrever por aqui. Pra variar, quero falar sobre um assunto que tem me deixado preocupado, a pregação da palavra. Não vou dizer que a pregação está acabando, pois ela faz parte de todas as igrejas verdadeiras do mundo. Isso mesmo, se você está numa igreja onde não existe pregação da palavra, caia fora! E não estou falando de um homem falando sobre o púlpito, me refiro a pregação do evangelho genuíno e exposição da Bíblia.

Vejo que muito se tem feito para deixar o culto mais atraente ao público, principalmente aos jovens. Novas idéias surgem, inovações, quebra de paradigmas, rótulos e preconceitos. Considero isso bom até o ponto em que substituem a proclamação direta do evangelho por algo mais fraco ou diferente. Na maioria das vezes essa tentativa de deixar o culto mais atraente termina com a marginalização da pregação, o que não é nada bom. Sem pregação não há chamado ao arrependimento e conversão genuína.

Para deixar claro, sei que pregação do evangelho pode acontecer de várias formas, como pela música, vídeo, filme, pela própria leitura da palavra ou de um livro, etc. Deus pode lhe chamar a salvação de várias formas, mas ele colocou na pregação direta da palavra a melhor ferramenta para isso. Pregar a palavra é a tarefa mais honrosa que um homem pode ter. Ouvi-la é a coisa mais importante que um homem pode fazer. Mas como é a verdadeira pregação do evangelho? Quero falar sobre duas características que aprendi com John Piper:

A verdadeira pregação é expositiva! O pregador precisa expor o que a bíblia diz. Não interessa como, mas ele precisa mostrar que suas opiniões e palavras são bíblicas. O papel do pregador é expor a palavra de Deus, explicá-la e aplicá-la a vida prática de seu público. Não existe pregação sem a palavra de Deus. Não existe pregação que altera ou manipula a palavra de Deus. Um pregador deve falar o que está escrito, nada mais, nada menos. É a palavra que liberta, que chama ao arrependimento, que salva, que santifica e que nos conduz a glória de Deus. O  pregador é um arauto, que leva a mensagem do rei para o povo, nunca a sua.

A verdadeira pregação precisa exaltar a palavra, exaltar aquele que é a palavra, Jesus. Como todas as coisas a pregação deve glorificar a Deus e chamar o público a fazer o mesmo. Somente ler a palavra e tentar explicá-la não faz um pregação genuína, é preciso adorar ao Deus da palavra e exaltá-lo como soberano e magnífico. A própria palavra de Deus o exalta e o pregador não pode deixar isso acabar no púlpito. Se ele prega a Bíblia pura, ele pregará com alegria e exaltando a Deus, pois é isso que a Bíblia faz. Aqui está a grande diferença entre pregar e discursar. Você pode ouvir vários discursos e palestras sobre algo relacionado a Deus, mas saberá que se trata de uma pregação quando o locutor estiver exaltando o Deus da palavra como senhor da Glória.

Quando juntamos essas duas características temos a pregação pura e simples do evangelho. Pregação essa que pode mudar a vida da igreja, do bairro, da cidade, do país e do mundo.  Quando estamos diante da pregação do evangelho nos encontramos numa daquelas situações entre a vida e morte. Se respondermos com fé ao chamado da palavra através do pregador então saberemos que passamos para a vida! A pregação também nos faz mais parecidos com Cristo e molda nosso caráter, ela está presente em todo o processo da salvação e é insubstituível!

Meu pedido é que nenhuma igreja, ministérios ou pregador deixem de pregar a palavra de forma direta. Não a substituam por nada! Deus realiza coisas poderosas através da pregação!

Soli deo Gloria!

4 respostas para “A Verdadeira Pregação do Evangelho”

  1. Mateus Marinho disse:

    O problema da pregação hoje em dia está nas palavras que fazem sucesso, tipo: profetiza, receba, tome posse, determine, dentre outras que fazem parte dessa prosperidade absurda que tem sido pregada, falar sobre pecado hoje em dia dá até morte, pensam logo que é acusação do pregador. Hoje em dia o povo está tão carente do conhecimento acerca de Jesus, que se você pregar uns detalhes sobre a morte e ressurreição de Jesus, pensam que você é um gênio, mesmo sendo coisas simples de se entender na Bíblia.

    A pregação do evangelho hoje em dia não tem falado mais exclusivamente da palavra (pregado somente o conteúdo da palavra, como você disse Jesus, a palavra viva), usam a palavra apenas para achar alguma coisa que sirva para declararem a vitória do povo sobre os males e profetizarem a prosperidade, ou montar um belo “discurso” como você disse, para agradar as pessoas…

    Jesus está voltando !!! Eis que os anjos estão lustrando suas trombetas !!!

    • luciano disse:

      verdade,essa teologia enlatada dos states e imunda contamina,poucos hoje pregam jesus pois vai de encontro a essa teologia,os verdadeiros vao se manifestar na igreja ,apostasia e isso ai nao pregar a fe em jesus!paz de cristo meu irmao!!!!!!!!!!compratilhei no meu face!

  2. Daniel Omena disse:

    Texto excelente mano, precisava sair um post desse.

  3. Geovani Alves disse:

    A bíblia deve ser a principal referência em uma ministração.
    Hoje muito tem se usado de histórias e experiências pessoais e poucos versos tem sido lidos durante os cultos.

    E quando for usar um verso, que seja da forma correta. Cite um verso e disserte-o, não o contrário.
    Amém pela palavra Pedro.

Deixe uma resposta